O que é IPVA?

Uma das tributações mais comuns em todos os lugares é o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA).

Administrada pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e pela Secretaria da Fazenda (Sefaz), ele é cobrado em todo o começo de ano, sendo obrigatório o seu pagamento para que os veículos não sejam apreendidos.

Entenda aqui qual é a importância do IPVA e como ele é calculado.

Como funciona o IPVA?

Como dito, é um imposto pago por todas as pessoas que têm veículos automotores, inclusive triciclos, caminhões, carros, etc.

Essa tributação ocorre de acordo com a quantidade de veículos, ou seja, uma pessoa que tem três carros pagará três IPVA por ano e cada um, talvez, com um valor diferente.

Essa divergência acontece porque o cálculo desse imposto usa o chamado valor venal, que não é igual para todo veículo.

O valor venal consiste em uma cifra que o Ministério da Fazenda determina, sendo o “preço” adequado para aquele carro, de acordo com todas as suas características.

Porém, o proprietário não paga o valor venal e sim uma porcentagem sobre ele, que também é variável.

Dois fatores fazem com que essa porcentagem varie: a primeira é a característica de abastecimento e de uso do veículo e a segunda é o Estado no qual o emplacamento foi feito.

Qual a importância do IPVA?

O recolhimento proporcionado pelo ipva 2019 sp ajuda o governo a pagar muitas despesas diferentes, como medicamentos e materiais para os hospitais, obras de infraestrutura e outros.

A divisão do imposto é a seguinte: a cidade na qual o carro está emplacado recebe 50% da arrecadação e os outros 50% são divididos entre o governo federal e o governo estadual.

Além de esse imposto ser muito importante para a renda pública, o proprietário pode ter diversos problemas se não o pagar, começando por ser impedido de fazer o licenciamento anual.

Esse licenciamento é uma condição obrigatória para que qualquer veículo seja autorizado a circular e, se não for feito, o resultado é uma apreensão e, dependendo do caso, o leilão.

Como pagar o IPVA

O Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor é emitido pelo DETRAN e pela Sefaz, ou seja, o cidadão tem de ir pessoalmente a um desses órgãos pedir a via de pagamento.

Atualmente, os sites oficiais também têm guias para emitir o IPVA, sendo requisitada a placa e o Renavam.

Não é obrigatório pagar o imposto inteiro em uma parcela; todavia, quem escolhe fazer assim tem importantes descontos.

Os proprietários que não puderem pagar à vista costumam ter até três parcelas para efetuar os pagamentos e, em caso de atraso, podem fazer a segunda via.

As datas-limite para que o IPVA de cada ano seja pago são publicadas pelo DETRAN e pela Secretaria da Fazenda, geralmente no mês de dezembro ou no mês de janeiro.

O mês de fevereiro costuma ser quando a primeira parcela é cobrada, apesar de veículos de grande porte (como caminhões) poderem pagar até o mês de setembro.

A tabela FIPE de carros usados é confiável?

fipe tabelaA tabela FIPE é mencionada sempre que alguém quer fazer a venda de um automóvel, apesar de algumas pessoas não saberem o por quê.

Na verdade, essa tabela norteia o mercado automobilístico com relação às vendas e às compras, existindo desde o ano de 1973.

Além de ajudar os compradores e vendedores a estabelecer um valor, essa tabela serve também para as corretoras de seguro.

Quando elas criam uma apólice, elas consideram a tabela FIPE para saber o valor do veículo e de quanto seria o seu prejuízo em caso de ocorrência de sinistro.

“Pagamos tabela FIPE no seu usado”

Não faltam concessionárias paulistas dizendo que pagam ao proprietário o valor da fipe tabela.

Isso é visto como excelente oportunidade para quem não quer fazer a venda diretamente com os compradores e sim com um estabelecimento comercial.

Além disso, também se entende que existe vantagem para a troca: o valor que o usado renderia seria bom o suficiente para abater bem o preço do veículo novo.

Todavia, isso é apenas uma estratégia de Marketing, na maior parte das vezes. Um número grande de vendedores confirma que o veículo novo será vendido por um preço maior quando o cliente quer FIPE no usado.

Os proprietários precisam perguntar os detalhes à concessionária antes de tentar uma troca com o seu veículo usado.

Tabela FIPE Webmotors

A Webmotors é uma das grandes páginas de venda de veículos e, claro, quem a procura para uma compra quer saber se ela considera a tabela FIPE. Os consumidores podem fazer uma simulação detalhada do valor dos veículos pelo site.

Primeiro, deve-se selecionar entre motos e carros; depois, determina-se se é uma compra ou uma venda de veículo; clica-se no Estado de emplacamento e na marca.

As que o simulador da Webmotors disponibiliza são Zimmer, Wiesmann, Way Brasil, Wake, Troller, Tac, Standard, Simca, Shelby, Rover, Reno, Porsche, Packard, McLaren, Marcopolo, Lexus, KIA, Jeep, Infiniti, Ferrari, Ego, Coyote, Chana, Bugre, BMW, Asia, Toyota, Mitsubishi, Fiat e várias outras.

Depois de clicar na marca do veículo, mais três informações serão pedidas: o ano, o modelo e a versão. Em seguida, é só cadastrar algum e-mail na Webmotors para que essa simulação seja encaminhada com o resultado.

Concessionária paga tabela FIPE?

Como falado, as concessionárias não costumam honrar as propagandas de pagar a tabela FIPE.

Na verdade, elas pagam, mas usam de mecanismos para que a economia do proprietário seja baixa e o dinheiro acabe retornando para elas non caso de troca por veículo novo.

Por isso, pode ser mais interessante para os vendedores de usados fazer negócio com pessoas físicas e buscar uma concessionária somente quando o novo puder ser comprado.

Como recorrer a multas de trânsito no DETRAN SP

Uma das práticas mais comuns dos motoristas é levarem multas de trânsito. Em alguns casos, elas realmente são irreversíveis, não tendo argumentos que possam ser utilizados para evitar o seu pagamento. após .

Mas ao consultar multas detran sp, é possível descobrir que existem outras que são passíveis de contestação, mas muitos motoristas acabam deixando de lado, não exercendo os seus direitos e acabam pagando por uma infração que talvez nem tenha cometido.

E este texto está sendo elaborado para as pessoas que gostam e estão sempre exercendo os seus direitos. Dessa forma, este texto quer mostrar para você como recorrer às multas de trânsito no DETRAN de São Paulo.

Como recorrer de multa no DETRAN SP?

consultar multas detran sp

O DETRAN SP possui disponibilidade para que as pessoas possam recorrer das multas que sofreram. Dessa forma, é possível, através do próprio site do DETRAN SP recorrer em todas as instâncias contra as infrações registradas exclusivamente pelo Departamento de Trânsito.

Essa solicitação poderá ser solicitada pelo site do DETRAN, onde você também poderá converter a infração em advertência por escrito em vez de multa. Essa iniciativa poderá ser utilizada por todos os motoristas de São Paulo.

Para poder recorrer da multa que foi aplicada pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (DETRAN SP), o interessado deverá entrar no site do DETRAN de São Paulo e clicar em “solicitar e acompanhar recurso de penalidade”.

Através desses passos, esse serviço poderá fazer com que você aplique uma penalidade de advertência por escrito em vez de multa, apresentar defesa de autuação e recurso de multa à Junta Administrativa de Recursos de Infração (JARI) do DETRAN de São Paulo, em 1ª Instância, e ao Conselho Estadual de Transito (Cetran), em 2ª Instância.

Você poderá acompanhar o resultado do julgamento através do próprio site por onde fez a solicitação.

Através desse recurso, que tem como objetivo diminuir toda a burocracia que existe nesse sistema, o DETRAN SP busca facilitar a vida dos cidadãos com a praticidade e rapidez que a internet possibilita.

Obs: As multas só poderão ser recorridas no DETRAN de São Paulo se este for o órgão responsável por aplicá-las. Se a multa foi imposta pelo DETRAN, lá mesmo você poderá dar entrada na solicitação para recorrer da multa levada.

Caso essa multa tenha sido aplicada por outro órgão, como a Prefeitura, por exemplo, este recurso só poderá ser solicitado no órgão responsável pela aplicação da multa.

Como serão os carros do futuro?

Carros do futuro

Quando falamos de carros inteligentes e futuristas, abre-se um mundo de possibilidades e nosso imaginação criativa bastante atinge níveis extraordinários. Logo pensamos em carros mais inteligentes, futuristas e os robôs do mundo.

Quem já não desejou um carro voador como nos jogos de vídeo game? Embora isso seja algo bem distante já existem projetos acontecendo. Um deles é o projeto TF-X, veja mais neste artigo, o protótipo tem asas implementáveis ​​e tem a capacidade de decolar verticalmente, sem precisa para uma pista para isso. O projeto já está pronto para testar e isso acontecerá ainda esse ano. A empresa afirma que o carro pode ser comercializado dentro dos próximos 8 anos.

O conceito criado por esta empresa tem asas e funciona através de dois motores elétricos, como se fossem gêmeos siameses, um em cada extremidade. O carro projetado pela empresa ainda contará com uma potência de 300 cavalos, podendo atingir uma velocidade de cruzeiro de 322 km/h.

Em meados de janeiro 2016, a empresa Faraday Future revelou um novo modelo de carro futurista, combinando velocidade com estilo, a empresa “Faraday. Em apenas dois anos após sua fundação a empresa promete fabricar seu primeiro modelo em 2019. O veículo trará uma plataforma modular, projetada especificamente para ele, um sistema elétrico e motores que juntos podem chegar a 1000 cv de potencia. O carro poderá chegar de de 0 a 100 km/h em menos de 3 segundos e superar a barreira de 322 km / h sem qualquer dificuldade.

A empresa BMW sabe sua exclusividade e produz apenas motos e carros esportivos de luxo. Fundada em 07 de março de 1916, com sede Munique, a BMW lançou um carro exclusivo de inovação tecnológica. O próximo BMW Vision 100, é uma declaração forte de intenções e do mercado para o qual a BMW quer atuar nos próximos 100 anos. A BMW já está apostando em novas técnicas de construção e design e tecnologia de condução autônoma, se despedindo do aço e do metal como materiais capazes de maximizar a interação do condutor com o veículo. Outro ponto forte é a conectividade baseada em gestos.

Os carros do futuro prometem nos tirar dos trânsitos caóticos das grandes metrópoles, nos fazer economizar dinheiro com combustível, seja etanol ou gasolina. O ponto crucial para o sucesso ou não desses protótipos vai depender da capacidade das montadores de produzirem essas máquinas  tecnológicas com um preço acessível para nós.  Vale lembrar que nós brasileiros pagamos um absurdo de impostos e taxas quando o assunto é a compra de um carro novo. E você, empolgado para o futuro?